Há uma série de peculiaridades que envolve o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro com a Itália. O mais interessante é que, além da sua descendência por parte de pai e mãe, o candidato há tempos vem demonstrando que a influência do seu sangue italiano pode melhorar as relações entre os dois países, caso seja eleito.

 

Sobrenome Bolsonaro

Jair Messias Bolsonaro é filho de pais descendentes de italianos: o pai Perci Geraldo Bolsonaro e sua mãe Olinda Bonturi.

 

Bolsonaro se escreve Bolzonaro na Itália e é muito comum na Região do Vêneto, mais precisamente nas Províncias de Rovigo e Padova. Existe também famílias com o sobrenome Bolzonaro na Província de Ferrara.

Bolsonaro e suas relações com a Itália

A Família Bolzonaro, liderada pelo imigrante Angelo, de 84 anos, desembarcou no Porto de Santos em 1889. Junto vieram outros seis membros da família que se instalaram no interior de São Paulo para trabalhar nas plantações de café.

 

Já o sobrenome materno Bonturi é presente nas Regiões do Vêneto e Toscana.

 

Terrorista italiano x Bolsonaro

No dia 31/12/2010, último dia do mandato do então Presidente do Brasil Luis Inácio Lula da Silva, foi negada a extradição do ex‐ativista Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua na Itália pela suposta autoria de quatro assassinatos na década de 1970.​

 

Bolsonaro e suas relações com a Itália

Foto: José Cruz/Ag. Brasil

 

No dia 19 de novembro de 2009, o STF autorizou a extradição de Battisti para a Itália, revogando a decisão do então Ministro da Justiça Tarso Genro, depois de sucessivos movimentos diplomáticos da Itália para pressionar o Brasil a entregar o ex‐ativista.

 

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) entenderam que o refúgio concedido pelo governo brasileiro a Cesare Battisti foi irregular. Os magistrados consideraram que Battisti não era um perseguido político e por isso não teria direito ao refúgio, mas decidiram deixar a palavra final sobre a extradição ao presidente. ​

 

Lula resolveu manter o italiano e divulgar sua posição a poucas horas de deixar a Presidência da República para evitar que a presidente eleita, Dilma Rousseff, tivesse que deliberar sobre o caso. ​

 

Essa “proteção” oferecida pelo governo brasileiro ao ex­‐ativista não foi bem aceita pelo povo italiano e, principalmente, pelo governo. ​

 

Além disso, em fevereiro de 2010, a 2ª Vara Criminal da Justiça Federal do Rio de Janeiro condenou o ex‐ativista a dois anos de prisão, em regime aberto, por ter entrado no país com passaporte falso. Battisti recorreu da condenação e o processo ainda está em andamento. Segundo o Ministério da Justiça, Battisti pode cumprir a pena no Brasil prestando serviços comunitários e pagando uma multa de dez salários mínimos (R$ 5,1 mil).

 

Recentemente, Cesare Batisti virou réu no território brasileiro por falsidade ideológica e teve que entregar seu passaporte à Polícia Federal do Brasil. Ainda, Batisti responde por evasão de divisas depois de tentar entrar na Bolívia com mais de R$ 20.000,00 em moeda estrangeira.

 

Em abril deste ano, Jair Bolsonaro, durante almoço com 15 embaixadores de países europeus, incluindo o da Itália, prometeu um presente à Italia: “No ano que vem vou mandar um presente para vocês (italianos)”.

 

Cidadania Italiana x Bolsonaro

Jair Bolsonaro ainda não tem a cidadania italiana e revelou que nunca pensou com seriedade no assunto, até porque o candidato exalta sempre o seu patriotismo aqui no Brasil.

 

Matteo Salvini, Vice Primeiro Ministro da Itália, no último mês de setembro prestou solidariedade à Bolsonaro depois do atentado e disse “desejo que seja eleito Presidente do Brasil”.

Bolsonaro e suas relações com a Itália

 

Em resposta Bolsonaro twittou “que em 2019 o Brasil possa fortalecer as relações com a Itália...”.

 

Atualmente no Brasil mais de 800 mil pessoas aguardam entre 06 e 12 nas filas da Cidadania Italiana nos Consulados Italianos.

 

Estas pessoas não conseguem reconhecer a cidadania italiana já que os procedimentos consulares impedem o direito.

 

O Brasil é a maior colônia italiana do mundo. Aproximadamente 15% da população brasileira é de origem italiana, ou seja, 30.000.000 de pessoas.

 

Esta é a distribuição dos descendentes de italianos no Brasil:

Bolsonaro e suas relações com a Itália

 

O caso Battisti deixou rastros refletidos em abalos entre as relações dos dois países. Não sabemos quem será o novo Presidente do Brasil, mas podemos concluir que essa aproximação e o bom relacionamento entre Bolsonaro e Salvini pode ajudar a acabar com as filas da cidadania italiana e trazer novas alianças entre as duas nações.